• Cientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”

    No Blog da Cidadania

    O cientista político Alberto Carlos Almeida é autor do livro “A Cabeça do Brasileiro” (Editora Record, 2007), que possui uma pesquisa reveladora e dados estatísticos de excepcional amplitude a respeito do perfil do brasileiro. Almeida é professor da Universidade Federal Fluminense.

    Publicou os livros “Por que Lula?” (Editora Record, 2006); “Como são Feitas as Pesquisas Eleitorais e de Opinião” (Editora FGV, 2002); e “Presidencialismo, Parlamentarismo e Crise Política no Brasil” (Eduff, 1998).

    Alberto Carlos Almeida possui doutorado em Ciência Política pelo IUPERJ; foi pesquisador visitante na The London School of Economics; e coordenou as pesquisas eleitorais e de opinião do DataUff entre 1996 e 2002 e da Fundação Getúlio Vargas entre 2002 e 2005.

    Quer ler mais? Clique aquiCientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”


  • EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY

    O Cafezinho

    Por Mariana Noviello

    Dilma Rousseff esteve no Reino Unido na semana passada onde ela participou de um evento acadêmico o Brazil UK Forum, organizado pelos estudantes das prestigiadas universidades de Oxford e LSE, e também conversou com a mídia, mulheres na academia e na política.

    Talvez de maior relevância tenha sido o encontro de Dilma com a alta cúpula do Labour Party (Partido Trabalhista Britânico).

    Parlamentares trabalhistas não só prestaram solidariedade à Presidenta em relação ao impeachment e a Lula, mas também se mostraram preocupados com a democracia no Brasil.

    Emily Thornberry, portavoz do Partido em assuntos internacionais, twitou: “Hoje, tive a honra de me encontrar com Dilma Rousseff, ex-presidenta do Brasil. Discutimos como a democracia em seu país está comprometida”. EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY


  • O que Temer não disse sobre os 2 anos de governo

    GNN Notícias

    [...] A cerimônia teve início às 15h no Salão Nobre do Palácio do Planalto, mas antes mesmo já foi marcada por polêmicas. Após o deslize do título "O Brasil voltou, 20 anos em 2", e a repercussão negativa, o convite para ministros e autoridades veio com outra nomenclatura: "Maio/2016-Maio/2018: o Brasil voltou".

    Ostentou de maneira exacerbada que houve uma queda na inflação e redução da taxa de juros. Juntou os números para preparar a cartilha "Avançamos - 2 anos de vitórias na vida de cada brasileiro", que foi o período de sua atuação desde que assumiu com a derrubada da presidente eleita Dilma Rousseff.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 798 outros seguidores

  • Recomendo leitura

Ciro não é de esquerda, está…

CiroPolêmica na Rede.

Miguel do Rosário, editor de O Cafezinho, resolveu defender a candidatura de Ciro como capaz de unificar a esquerda e está sendo atacado pela maioria de seus leitores o deixando indignado com tanta reação contrária.

Conheci Miguel no primeiro encontro de blogueiros em São Paulo. Sempre fui leitor de seus excelentes textos pela racionalidade. Miguel é inteligente, bem articulado, estudioso… Bem, isso também nos deixa indignados Miguel. Com tantas qualidades não é possível aceitar o fato de querer enterrar a candidatura Lula para já manifestar apoio ao Ciro. E digo isso porque sei que Miguel conhece a trajetória de Ciro Gomes. A carreira política dele começa no PSD, vê oportunidade e se elege deputado pelo PMDB. Depois outra oportunidade o leva ao PSDB. Lembro que nesta ocasião o PSDB não era visto como um partido de “direita” para muitos, mas para quem vivia a essência partidária sabia que o partido era neoliberal para dar continuidade ao projeto de minimização do Estado iniciado com Collor de Mello. Quando o PSDB começa a cair em desgraça pula para o PPS e não muito tempo migra para o PSB; soube que la não teria atendida suas ambições e ajuda a fundar o PROS; o partido surge pra ser pequeno, legenda de aluguel como tantas outras, então, finalmente, veste a camisa do PDT sem jamais ter citado Leonel Brizola como exemplo.

Ciro é para mim um coronel arrogante, autoritário, falastrão, dissimulado e oportunista. Sua trajetória não me oferece luz adiante. Não o vejo capaz de aglutinar a esquerda e implementar bandeiras históricas deste campo ideológico, mas não o descarto numa disputa com o ultraconservadorismo. Acontece, Rosário, que temos um candidato: é LULA! Não o sendo o PT terá uma indicação para substitui-lo e é neste substituto que dedicaremos nosso empenho, tempo e recursos para tentar impedir o avanço desse fascismo que avassala o país.

A reação contrária se dá por conta do seu empenho na candidatura Ciro como um pseudo marqueteiro, inclusive tentando levar para seu campo lulistas em estado de choque.

Mas quero manifestar aqui minha solidariedade ao Miguel. Não se pode levar a discussão para o nível rasteiro como estão fazendo. Voltaire, em 1750, já dizia que defendia o direito do outro mesmo sem concordar com ele. Sou dessa opinião. Não concordo com Miguel, mas ele tem o direito de manifestar seu pensamento político até para ajudar a construir uma politica mais racional e menos emocional. Infelizmente, nesse momento há uma questão moral para o PT e para lulistas. Lula é um preso político e Ciro um oportunista que viu aí a possibilidade de ocupar o espaço Lula.

Convenhamos!… Se Lula não puder ser candidato e o PT decidir apoiar outra candidatura temos a Manuella do PC do B e Boulos do Psol, ainda que pese o fato de ter sido o psol um dos precursores do golpe com aquela luta imbecil contra o aumento de 20 centavos nas passagens dos ônibus de São Paulo. Ciro, Miguel, não é nossa segunda opção.

O sintomático desespero do blogueiro da Veja

Reinaldo Azevedo é um sujeito que não costumo dar créditos ao que escreve em seu blogue na revista Veja. É o Pit Bull dos reacionários fascistas, o orientador, o adestrador dos mais imbecis da raça humana, mas a última postagem na revista fascista Veja é sintomática: revela desespero e preocupação com os objetivos da Lava Jato e deles próprios. Vejamos:

O fascista da Veja disse

[…] Há, como se sabe, uma disputa surda de estratégias e pontos de vista entre os procuradores da Lava Jato e os delegados da Polícia Federal. Estes acham que é chegada a hora de pôr fim às delações premiadas. E não para frear a investigação, mas para não desmoralizá-la.

Como assim desmoraliza-la?

… Só existe uma explicação para esta ilação: se Cunha disser toda a verdade tudo o que a Lava Jato fez para criminalizar o PT pode ser desmoralizado, não é? É por isso que pede o fim das delações premiadas, por isso termina o parágrafo com a afirmação de que não é para frear a investigação, mas para não desmoralizá-la (sic).

Ele segue:

“[…] A questão é saber se seria moralmente aceitável conceder-lhe tal benefício, agora que ele detém um quadro bem mais completo da narrativa do que outros.”

Ou seja, o quadro a que se refere o blogueiro fascista é a verdade que a Lava Jato não revela. As várias delações que inocentam Lula e o PT; as articulações que foram tramadas para impedir o avançar da Lava Jato sobre os fascistas golpistas etc. É esse quadro completo da narrativa que nós brasileiros queremos saber. Aí uma revelação explicita do blogueiro:

… E se Cunha decidir, sei lá, jogar no lixo, com suas eventuais revelações, boa parte do trabalho feito até aqui? Os primeiros delatores tinham menos condições de escolher o caminho do que ele tem agora, embora pareça o contrário.”

Por que jogar no lixo boa parte do trabalho feito até aqui? Por que é lixo. Tudo se resume numa sujeito tramada para criminalizar o PT e os principais líderes do PT.

O blogueiro não esconde suas reais intenções: ele quer dar um recado ao Cunha. Assuma a parte podre do “negócio sujo” da Lava Jato. Assuma o sacrifício em nome do projeto fascista de tentar acabar com o PT e com essa escalada crescente de pobres sobre o domínio do Estado brasileiro. Por isso ele dá o ultimato:

… Ou, na hipótese que leva os petistas ao delírio, ele pegaria uma pena bem leve, quase nada, enquanto o país estaria mergulhado no caos. Não parece que seria esse um bom desfecho.

Ora, o que levaria petistas ao delírio? A verdade, tão somente a verdade.

Por que o país mergulharia no caos? Por que os que deram o golpe iriam para a cadeia para ocupar o lugar dos que já foram presos pela Lava Jato enquanto estes seriam libertados em nome da Justiça.

De fato não seria um bom desfecho para os golpistas, não é blogueiro fascista?

O tolo debate sobre a saída de militante do PT

Isabelle Truda foi uma militante aguerrida do PT e se destacou nas redes sociais durante a campanha. Suas posições políticas a levou a angariar algumas centenas de seguidores. Alguns para criticar o PT outros para ajuda-la em defesa do partido.

Entretanto ela ganhou destaque nas Redes Sociais (Facebook e Twitter) e no site Diário do Centro do Mundo quando anunciou sua desfiliação.

Logo após sua publicação muitos dos seus seguidores, e seguidores de seus seguidores, aproveitaram a oportunidade para iniciar um tolo debate sobre a subjetividade de ficar ou não em determinado ambiente de acordo com sua visão de mundo.

Ora, se uma pessoa decide que o melhor para ela é atravessar para o outro lado da rua que mal há nisso?
Mas aproveitadores não se importam com a subjetividade alheia, mas com a própria.

Foi assim que Luciana Genro mostrou o quanto pode ser medíocre ao convidar publicamente os insatisfeitos do PT para compor o nanico Psol.

Há mal em convidar uma pessoa para compor os quadros do partido? Não, se feito de maneira correta, como pessoa-a-pessoa. Tivesse Luciana Genro convidado Isabelle Truda pessoalmente para compor os quadros do Psol e de maneira reservada, somente entre as duas, teria sido uma atitude politicamente correta. E pode fazer isto com qualquer pessoa, inclusive com quem não manifestou desagrado com a reforma ministerial realizada pela presidenta Dilma Rousseff.

Mas o oportunismo lhe cegou a razão e preferiu a mediocridade da publicização política.

O que leva o debate sobre a saída de Isabelle Truda do PT para baixo são os comentaristas não qualificados. Estes já possuem posição a favor ou contra e age de maneira irracional. Poucos foram os que procuraram argumentar em favor de Isabelle e de sua decisão. Valter Pomar, liderança importante e membro da Direção Nacional do PT pediu que ela reconsiderasse apelando para mudar o PT por dentro, porque muitos de nós ficamos insatisfeitos com a nomeação de ícones do conservadorismo e até com a permanência de Zé Eduardo Cardoso, um ministro completamente inútil na pasta da Justiça a meu ver, mas construímos uma história que trouxe avanços para o Brasil nesses 12 anos de governo petista.

Não podemos esquecer que foi este partido quem incluiu mais de 40 milhões de pessoas. Foi este partido quem começou uma grande revolução acabando com as palafitas nas margens dos rios das grandes capitais garantindo moradia digna para milhões de pessoas. Sim, foi o PT que levou milhares de pessoas ao emprego garantindo-lhes renda para uma vida digna.

O que Valter Pomar tentou fazer foi manter a militante no partido para evitar que este mesmo partido não caia desgraçadamente nos braços dos capitalistas conservadores que não permitiam um avanço das classes mais pobres, embora tenha se assanhado com a nomeação de Joaquim Levy, Kátia Abreu, Gilberto Kassab entre outros e mantido Zé Eduardo Cardoso na pasta da Justiça.

Então apareceram dezenas de comentaristas que se aproveitaram da situação para fingindo apoiar a decisão de Isabelle Truda atacar o PT. Outros que não sabem e, portanto, não deveriam tentar defender o PT porque não o fazem de maneira respeitosa acabam por atacar a pessoa Isabelle Truda por uma decisão legítima e pessoal e da maneira mais esdrúxula que lhe convém.

É um debate tolo. Cada pessoa tem o direito de escolher o seu próprio caminho.

O debate deveria ser acerca das ideias de maneira racional e ponderada.

Infelizmente vimos pessoas que atuam como se advogados/as dela fossem e cometem asneiras das mais absurdas ao defendê-la. Desnecessário porque ela não tem que se defender ou se justificar. É uma escolha pessoal. Se quero conversar com ela acerca de sua possível permanência, assim como aqueles que a desejam tê-la como afiliada em sua instituição partidária, devemos fazer em particular, sem expor publicamente a pessoa Isabelle Truda ou qualquer outro militante que fizer igual manifestação.

MPL convoca para tentativa de golpe em 2015

Movimento tem alvo diferente do anunciado

Movimento tem alvo diferente do anunciado

MPL, ou Movimento do Passe Livre, convocou manifestações para janeiro de 2015 contra o aumento de passagem permitida pela prefeitura de São Paulo. Parece legítima a causa, não parece? Pois é, mas só parece.

As tarifas dos ônibus vão aumentar para R$ 3,50. O trabalhador assalariado com registro em carteira continuará a pagar o equivalente a 6% dos seus rendimentos, o mesmo que pagaria se a passagem fosse 1, 2 ou 5 reais.

Chamo a atenção para isto porque ao beneficiário o valor da tarifa dos transportes não será aumentada. Isto só ocorre quando o seu salário for igualmente aumentado; por exemplo: O trabalhador que ganha salário mínimo de R$ 729 lhe é descontado o valor de R$ 43,74. Quando o salário mínimo for aumentado para R$ 790 previstos para 2015, ele passará a pagar R$ 47,40 de custeio de transporte independente do valor da passagem. E se a passagem fosse aumentada para R$ 7? Sem problemas, ele continuaria a pagar os R$ 47,40.

Então, quem paga o restante?

O Vale-Transporte será custeado:
– pelo beneficiário, na parcela equivalente a 6% (seis por cento) de seu salário básico ou vencimento, excluídos quaisquer adicionais ou vantagens;
– pelo empregador, no que exceder à parcela referida no item anterior.

Então para que a manifestação convocada pelo MPL?

É um movimento político? É. Todo movimento é político e este tem um alvo: o PT.

Alegam os líderes do movimento que é uma causa justa. Alegam sobretudo que estão defendendo uma minoria que não tem carteira assinada e, portanto, não são beneficiários do Vale Transporte. O argumento seria válido se o foco não fosse o aumento dos ônibus, mas de todo o sistema de transporte: vans (peruas), trens, metrô e ônibus.

Acontece que o MPL não está preocupado com o aumento dos outros meios. Lhes interessam apenas os ônibus cuja concessão é municipal e, portanto, o aumento é permitido pelo prefeito Haddad, do PT, para a cidade de São Paulo. Nada sobre o metrô; nada sobre os trens. Sobre as vans (peruas) então… E o prefeito Haddad estabeleceu tarifa zero para todos os estudantes da pré-escola ao ensino universitário facilitando, assim, a vida de milhares de estudantes paulistas.

26/12/2014 18h19 – Atualizado em 26/12/2014 20h14
Haddad anuncia passe livre para estudantes e tarifa de ônibus a R$ 3,50
Câmara municipal teria sido comunicada da mudança nesta sexta-feira.
Tarifa de ônibus vai ser reajustada a partir de 6 de janeiro, diz Prefeitura.
Do G1 São Paulo
A Prefeitura de São Paulo informou, por meio de nota à imprensa, nesta sexta-feira (26), que vai instituir o passe livre para estudantes de escolas públicas e para universitários do Prouni, Fies e cotistas e que a tarifa de ônibus vai ser reajustada de R$ 3,00 para R$ 3,50 a partir de 6 de janeiro.

Nota-se, assim, que o objetivo é resgatar aquele movimento fascista de junho de 2013 que levou baderneiros a saquearem lojas, quebraram bancos e o patrimônio público.

Não é possível que os trabalhadores circulem apenas de ônibus, sobretudo quando vimos os trens do metrô abarrotados de gente em toda a malha metroviária. Além disso as contas não batem em favor dos trabalhadores. Parece que o MPL está saíndo em defesa dos empregadores, porque para eles há um aumento de custo. Querem que eu desenhe? Vamos lá!

Um trabalhador simples, de salário mínimo (R$ 729), cujo desconto em folha é de R$ 43,74, e que se vale de duas conduções de mesmo valor (R$ 3,00), trabalhando 20 dias por mês. O custo de passagem será de R$ 12 por dia, que multiplicado por 20 dias somam-se R$ 240. Mas o trabalhador só paga R$ 43,74. Quem paga os outros R$ 196,26? O Empregador.

Agora, quando a passagem aumentar para R$ 3,50 a parcela do trabalhador continuará a mesma de R$ 43,74, mas a do empregador aumenta para R$ 236,26, porque o custo total aumentou para R$ 280/mês. Então o MPL está saindo em defesa de quem?

O entendimento que tenho é que o MPL faz parte de um pacote a serviço da velha elite que se desespera com o PT no 2013bpoder e lhes prestam serviço para provocar o caos urbano e, assim, atingir as administrações petistas (de Haddad e de Dilma Rousseff) que levariam os parlamentos a discutirem um possível impeachment de ambos. É mais uma tentativa de dar o golpe já que nas urnas se mostram incompetentes. Se não ganham no convencimento tentam na força, na marra.

Vocês se lembram do que foi aquele movimento fascista de 2013. Ele ressurge agora em janeiro com a máscara das causas dos trabalhadores, mas que não passa de mera cortina para encobrir seus reais objetivos.

A Campanha Oportunista Contra o PT

Quer conhecer os covardes viva um momento de fraqueza.

Dilma Rousseff desagradou a esquerda indicando nomes como o de Joaquim Levy para a Fazenda e o de Kátia Abreu para a Agricultura.

O PT, ou parte dele, também se manifestou contrário, ainda que pese todas as explicações de Dilma para suas decisões. O fato é que há no PMDB muita gente e algumas provavelmente mais capacitadas que Kátia Abreu para assumir o Ministério da Agricultura. Até março de 2014 era Antonio Andrade, do mesmo PMDB, e não houve uma só voz na esquerda para falar contra, pelo menos não se tomou conhecimento dessa voz, se existiu.

Levy é ligado ao psdb e à Fernando Henrique Cardoso. Isso foi um golpe baixo em nós petistas convictos porque ficou parecendo que ganhamos, mas perdemos, como disse o mineiro derrotado Aécio Neves.

Isso desagradou a petistas e à oposição, mesmo aquela que se diz de esquerda [mas se alia à direita para combater um governo trabalhista] e então surgem os oportunistas. Luciana Genro, mostrando como pode ser medíocre, achou que podia cooptar petistas para o Psol. Pode até ser que alguns apareçam por lá, mas tal como eles, estes nunca foram petistas de fato.

Eu sou do PT desde 1985. Dentro das minhas limitações políticas ajudei o partido a chegar ao governo federal em 2003 com Luis Inácio Lula da Silva. Foi um governo brilhante do ponto de vista social. Brasileiros saíram da miséria; passaram a ter o que comer pelo menos duas vezes ao dia; muitos deixaram as palafitas e foram morar em casas dignas; foram criados empregos suficientes para atrair inclusive estrangeiros e chegamos ao ponto de eleger sua sucessora Dilma Rousseff.

Dilma nunca foi e jamais se aproximará da capacidade política de Lula. Jamais terá a sensibilidade social que Lula tem e seu governo jamais se aproximará do que foi o governo Lula. Mas se não Dilma quem seria? Olhem o quadro e me digam sinceramente se havia outro candidato na disputa que pudesse governar o Brasil de acordo com nossa visão de mundo.

De xiitas de esquerda à xiitas de direita passando por suspeito de ligação com o tráfico de drogas, como denunciou o policial Lucas Arcanjo [vídeo abaixo]. Dilma era a opção! Não havia outro/a.

Então os oportunistas aparecem porque o momento é delicado. Muita gente não sabe, mas no PT é assim que funciona. Se não estamos satisfeitos temos o DIREITO ESTATUTÁRIO de nos manifestar, inclusive publicamente, contra qualquer decisão de governo em nome do PT.

Vimos algumas manifestações do tipo “to pulando fora”. Mas estes nunca foram petistas de fato. Estavam no PT, mas quem ajudou a construir a nossa história, se está chateado com as decisões da presidenta como eu, vamos nos manifestar contrários, mas não vamos abandonar a história que ajudamos a construir. É simples assim.

Os oportunistas passarão, nós…

Dilma continua presidente

dilma

Às 20h e 46m já se conhecia quem governaria o Brasil nos próximos quatro anos. Dilma foi matematicamente eleita e às 22h 34m o resultado final ainda não era conhecido, mas apontava Dilma com 51,64% dos votos válidos, ou em números concretos 54.495.915 votos. Podemos comemorar sim, mas não podemos deixar de lado questões que nos marcam essas eleições.

O PT precisa repensar sua prática. Sua política deu comida a quem tinha fome; casa para quem morava em palafitas; melhorou o salário de quem é trabalhador; todos os empresários ganharam dinheiro porque a economia bombou nesses anos de PT; os banqueiros ganharam dinheiro; quem não viajava nem de ônibus ta viajando de avião etc.; mas o PT não politizou essa massa, sobretudo essa meninada que foi pra universidade por conta do ProUni, do Sisu, do Fies e tal. Temos que sair dos gabinetes e discutir política no dia-a-dia com toda essa gente.

Dilma precisa ocupar os espaços em cadeia de rádios e TVs que lhe permite a Constituição Brasileira e dizer o que está fazendo, como está fazendo e quem se beneficia com o que está sendo feito. Precisamos de uma política de comunicação que não fique refém da Veja, Globo, Estadão, Folha de São Paulo e Rede Globo. A oportunidade foi garantida com a eleição do amor e da verdade.

Não é possível que um Estado como Pernambuco não tenha um único deputado federal eleito pelo PT. No Brasil perdemos 10 cadeiras que foram ocupadas pelos reaças do PSDB. Isto nos indica uma leitura imediata: nossas práticas parlamentares. Esse negócio de fazer Diretórios Municipais com maioria esmagadora de assessores de parlamentares institucionalizou o partido e deixamos a política dos movimentos sociais de lado. Aquela discussão política esclarecedora das ruas, nas esquinas, nos Conselhos, Associações, Sindicatos etc. ficaram esquecidas pelo pessoal do gabinete que estava fazendo o que era certo no conceito institucional, mas isto nos afastou do processo politizador das massas.

Muitos virão dar suas justificativas para derrotas históricas como no Rio Grande do Sul e em Mato Grosso do Sul, mas não podemos deixar de admitir que falhamos nesses doze anos de PT no governo federal. Ficamos acomodados e achamos que com um salário melhor, estudando em universidades privadas com o ProUni ou nas Universidades Federais construídas pelo PT e morando em uma casinha arrumadinha pelo Minha Casa Minha Vida já seriam suficientes para politizar o povo, mas não foi. Temos que repensar isto. Este é o novo desafio imposto ao Partido dos Trabalhadores.

O Futuro do PT, em Queimados/RJ

Rildo Ferreira: foi candidato a presidente do PT pelo grupo Ação Crítica
Rildo Ferreira: foi candidato a presidente do PT
pelo grupo Ação Crítica

Antes de levar adiante o que tenho a dizer sobre o futuro do partido na minha cidade quero agradecer aos meus eleitores. Foram 148 valorosos colaboradores que não receberam ajuda pecuniária para saírem de suas casas em pleno domingo de sol para votar com as consciências de quem deseja um Partido dos Trabalhadores atuante e propositivo.  Muito obrigado mesmo!

Assim, abraço Marlene Antonio Rezende em nome de todas as mulheres que acreditaram no projeto de renovação e abraço o amigo Aroldo Cardoso Pereira em nome dos meus amigos trabalhadores que pensam um partido voltado para a militância.

Cumprimos nossa missão de provocar uma ação que levasse figuras eminentes a procurar o filiado para dizer que o partido existe. Entramos na disputa com a expectativa de 30%, sabíamos da nossa limitação. Saímos com 27,7%. Felizes e confiantes que possamos nos fortalecer.

Quanto ao futuro que nos espera é importante salientar que somos um grupo minoritário com o desejo de nos tornar maioria. Isto não é legítimo no processo democrático? Claro que é legítimo. Democracia é “a prerrogativa da maioria é governar. A minoria conserva o direito de fazer oposição e o de procurar tornar-se maioria. Ambas – maioria e minoria – não podem alterar, eliminar ou destruir as “regras do jogo”, as normas e processos pelos quais se chega livre e periodicamente à situação de maioria” (Macedo, Ubiratan Borges de. Liberalismo e Justiça Social. Ibrasa, São Paulo, 1995. p. 66). Dentro dessa lógica exigimos respeito.

Dos Santos (2007) diz em sua obra Governabilidade e Democracia Natural (FGV) que “as maiorias tendem a ser inercialmente conservadoras” e “se às minorias não for garantido o direito de operar conforme a inovação sugerida e tornar-se maioria…, a sociedade tende a estagnar-se“. Ora, se isto vale para governos de Estados e Nações porque não valer também como um conceito partidário?

E assim vamos nos comportar. Já em 2016 precisamos apoiar candidaturas a Deputado Estadual e a Deputado Federal que estejam de acordo com o nosso pensamento. Não me é possível conceber que aquela que se faz representante do grupo hoje majoritário vá concordar em compartilhar nossas ideias porque a princípio, e esta disputa no PED nos fez ver isto com mais clareza, suas atitudes são de desrespeito às minorias, de aniquilamento do contraditório – e por isto mesmo há muito não temos atividades partidárias -, e de imposição de sua visão de mundo sobre as subjetividades das demais companheiras e dos demais companheiros.

Procuramos no Estado do Rio de Janeiro e encontramos eco do nosso pensamento no atual candidato credenciado ao segundo turno do PED estadual Washington Quaquá e sua companheira Rosangela Zeidan, provável candidata a deputada estadual e no companheiro Wadih Damous, provável candidato a deputado federal. É possível que o grupo Ação Crítica acolha estas candidaturas na cidade.

Do mesmo modo pensamos que 2015 será o ano da nossa afirmação. Vamos escolher entre nós um possível candidato a prefeito e vamos disputar as prévias do partido. Este é o pensamento hoje. Com as prévias acreditamos numa mobilização ainda maior de todos os filiados. Até lá temos o dever de formar nossa militância de modo a entenderem que somente com a livre escolha, sem a pressão da corrupção, do assédio moral e das ameaças verbais, podemos ser verdadeiramente livres para tomar as decisões mais acertadas de acordo com nosso pensamento ideológico.

Conclamo as companheiras e companheiros que comungam do pensamento político da Ação Crítica a caminharem juntos pelo Partido dos Trabalhadores. Somente com a mobilização das filiadas e filiados podemos ter um partido crítico, ético e atuante.