• Cientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”

    No Blog da Cidadania

    O cientista político Alberto Carlos Almeida é autor do livro “A Cabeça do Brasileiro” (Editora Record, 2007), que possui uma pesquisa reveladora e dados estatísticos de excepcional amplitude a respeito do perfil do brasileiro. Almeida é professor da Universidade Federal Fluminense.

    Publicou os livros “Por que Lula?” (Editora Record, 2006); “Como são Feitas as Pesquisas Eleitorais e de Opinião” (Editora FGV, 2002); e “Presidencialismo, Parlamentarismo e Crise Política no Brasil” (Eduff, 1998).

    Alberto Carlos Almeida possui doutorado em Ciência Política pelo IUPERJ; foi pesquisador visitante na The London School of Economics; e coordenou as pesquisas eleitorais e de opinião do DataUff entre 1996 e 2002 e da Fundação Getúlio Vargas entre 2002 e 2005.

    Quer ler mais? Clique aquiCientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”


  • EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY

    O Cafezinho

    Por Mariana Noviello

    Dilma Rousseff esteve no Reino Unido na semana passada onde ela participou de um evento acadêmico o Brazil UK Forum, organizado pelos estudantes das prestigiadas universidades de Oxford e LSE, e também conversou com a mídia, mulheres na academia e na política.

    Talvez de maior relevância tenha sido o encontro de Dilma com a alta cúpula do Labour Party (Partido Trabalhista Britânico).

    Parlamentares trabalhistas não só prestaram solidariedade à Presidenta em relação ao impeachment e a Lula, mas também se mostraram preocupados com a democracia no Brasil.

    Emily Thornberry, portavoz do Partido em assuntos internacionais, twitou: “Hoje, tive a honra de me encontrar com Dilma Rousseff, ex-presidenta do Brasil. Discutimos como a democracia em seu país está comprometida”. EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY


  • O que Temer não disse sobre os 2 anos de governo

    GNN Notícias

    [...] A cerimônia teve início às 15h no Salão Nobre do Palácio do Planalto, mas antes mesmo já foi marcada por polêmicas. Após o deslize do título "O Brasil voltou, 20 anos em 2", e a repercussão negativa, o convite para ministros e autoridades veio com outra nomenclatura: "Maio/2016-Maio/2018: o Brasil voltou".

    Ostentou de maneira exacerbada que houve uma queda na inflação e redução da taxa de juros. Juntou os números para preparar a cartilha "Avançamos - 2 anos de vitórias na vida de cada brasileiro", que foi o período de sua atuação desde que assumiu com a derrubada da presidente eleita Dilma Rousseff.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 798 outros seguidores

  • Recomendo leitura

Ciro não é de esquerda, está…

CiroPolêmica na Rede.

Miguel do Rosário, editor de O Cafezinho, resolveu defender a candidatura de Ciro como capaz de unificar a esquerda e está sendo atacado pela maioria de seus leitores o deixando indignado com tanta reação contrária.

Conheci Miguel no primeiro encontro de blogueiros em São Paulo. Sempre fui leitor de seus excelentes textos pela racionalidade. Miguel é inteligente, bem articulado, estudioso… Bem, isso também nos deixa indignados Miguel. Com tantas qualidades não é possível aceitar o fato de querer enterrar a candidatura Lula para já manifestar apoio ao Ciro. E digo isso porque sei que Miguel conhece a trajetória de Ciro Gomes. A carreira política dele começa no PSD, vê oportunidade e se elege deputado pelo PMDB. Depois outra oportunidade o leva ao PSDB. Lembro que nesta ocasião o PSDB não era visto como um partido de “direita” para muitos, mas para quem vivia a essência partidária sabia que o partido era neoliberal para dar continuidade ao projeto de minimização do Estado iniciado com Collor de Mello. Quando o PSDB começa a cair em desgraça pula para o PPS e não muito tempo migra para o PSB; soube que la não teria atendida suas ambições e ajuda a fundar o PROS; o partido surge pra ser pequeno, legenda de aluguel como tantas outras, então, finalmente, veste a camisa do PDT sem jamais ter citado Leonel Brizola como exemplo.

Ciro é para mim um coronel arrogante, autoritário, falastrão, dissimulado e oportunista. Sua trajetória não me oferece luz adiante. Não o vejo capaz de aglutinar a esquerda e implementar bandeiras históricas deste campo ideológico, mas não o descarto numa disputa com o ultraconservadorismo. Acontece, Rosário, que temos um candidato: é LULA! Não o sendo o PT terá uma indicação para substitui-lo e é neste substituto que dedicaremos nosso empenho, tempo e recursos para tentar impedir o avanço desse fascismo que avassala o país.

A reação contrária se dá por conta do seu empenho na candidatura Ciro como um pseudo marqueteiro, inclusive tentando levar para seu campo lulistas em estado de choque.

Mas quero manifestar aqui minha solidariedade ao Miguel. Não se pode levar a discussão para o nível rasteiro como estão fazendo. Voltaire, em 1750, já dizia que defendia o direito do outro mesmo sem concordar com ele. Sou dessa opinião. Não concordo com Miguel, mas ele tem o direito de manifestar seu pensamento político até para ajudar a construir uma politica mais racional e menos emocional. Infelizmente, nesse momento há uma questão moral para o PT e para lulistas. Lula é um preso político e Ciro um oportunista que viu aí a possibilidade de ocupar o espaço Lula.

Convenhamos!… Se Lula não puder ser candidato e o PT decidir apoiar outra candidatura temos a Manuella do PC do B e Boulos do Psol, ainda que pese o fato de ter sido o psol um dos precursores do golpe com aquela luta imbecil contra o aumento de 20 centavos nas passagens dos ônibus de São Paulo. Ciro, Miguel, não é nossa segunda opção.

Ciro e Bohn Gass explicam pedaladas fiscais

O vídeo abaixo mostra o deputado eleito pelo Rio Grande do Sul Elvino Bhon Gass explicando as tais pedaladas fiscais que o TCU resolveu utilizar para tentar dar o golpe e impedir Dilma de Continuar governando.

O objetivo dessa oposição, aliada às mídias e ao judiciário [em parte], é deixar o país instável, o povo com medo e receoso e, assim, em 2018, garantir a eleição da velha elite que detona direitos das minorias e da maioria mais pobre. Ciro Gomes fala do impeachment e das pedaladas fiscais. Este vídeo eu me apropriei do blogueiro Miguel do Rosário de O Cafezinho. Ambos os vídeos podem ser vistos pelo Youtube.

Tem muita gente precisando rever conceitos sobre verdades, mas essa gente quer mesmo saber a verdade?

Ciro: “essa turma (PSDB) não pode voltar”

Ouçam e vejam o vídeo quando Ciro era ainda candidato a candidato pelo PSB à presidência da República.

Ciro: “O Brasil levou 500 anos para fazer uma dívida pública ai equivalente a 38% do PIB. Essa gente, o governador Serra hoje, ministro do Planejamento, membro da equipe econômica, eles trouxeram essa dívida para 78% do PIB em menos de 8 anos. Levou 500 anos brasileiro, pra que a dívida chegasse a 38% do PIB; foi uma dívida feita para fazer a Petrobrás, a Eletrobrás, a Telebrás, a Estradasbrás etc, etc… Essa gente dilapidou o patrimônio brasileiro.

Aí a carga tributária que pesa sobre quem trabalha, pesa sobre quem produz, tira a competitividade sistêmica, era de 27%  do PIB quando eu era ministro da fazenda. O Fernando Henrique entregou pro Lula com 35% do PIB…”

Mais? Assista ao vídeo.