• Cientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”

    No Blog da Cidadania

    O cientista político Alberto Carlos Almeida é autor do livro “A Cabeça do Brasileiro” (Editora Record, 2007), que possui uma pesquisa reveladora e dados estatísticos de excepcional amplitude a respeito do perfil do brasileiro. Almeida é professor da Universidade Federal Fluminense.

    Publicou os livros “Por que Lula?” (Editora Record, 2006); “Como são Feitas as Pesquisas Eleitorais e de Opinião” (Editora FGV, 2002); e “Presidencialismo, Parlamentarismo e Crise Política no Brasil” (Eduff, 1998).

    Alberto Carlos Almeida possui doutorado em Ciência Política pelo IUPERJ; foi pesquisador visitante na The London School of Economics; e coordenou as pesquisas eleitorais e de opinião do DataUff entre 1996 e 2002 e da Fundação Getúlio Vargas entre 2002 e 2005.

    Quer ler mais? Clique aquiCientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”


  • EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY

    O Cafezinho

    Por Mariana Noviello

    Dilma Rousseff esteve no Reino Unido na semana passada onde ela participou de um evento acadêmico o Brazil UK Forum, organizado pelos estudantes das prestigiadas universidades de Oxford e LSE, e também conversou com a mídia, mulheres na academia e na política.

    Talvez de maior relevância tenha sido o encontro de Dilma com a alta cúpula do Labour Party (Partido Trabalhista Britânico).

    Parlamentares trabalhistas não só prestaram solidariedade à Presidenta em relação ao impeachment e a Lula, mas também se mostraram preocupados com a democracia no Brasil.

    Emily Thornberry, portavoz do Partido em assuntos internacionais, twitou: “Hoje, tive a honra de me encontrar com Dilma Rousseff, ex-presidenta do Brasil. Discutimos como a democracia em seu país está comprometida”. EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY


  • O que Temer não disse sobre os 2 anos de governo

    GNN Notícias

    [...] A cerimônia teve início às 15h no Salão Nobre do Palácio do Planalto, mas antes mesmo já foi marcada por polêmicas. Após o deslize do título "O Brasil voltou, 20 anos em 2", e a repercussão negativa, o convite para ministros e autoridades veio com outra nomenclatura: "Maio/2016-Maio/2018: o Brasil voltou".

    Ostentou de maneira exacerbada que houve uma queda na inflação e redução da taxa de juros. Juntou os números para preparar a cartilha "Avançamos - 2 anos de vitórias na vida de cada brasileiro", que foi o período de sua atuação desde que assumiu com a derrubada da presidente eleita Dilma Rousseff.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 798 outros seguidores

  • Recomendo leitura

Os protestos do MPL e a violência policial

Eu ainda estou procurando o verdadeiro significado desses protestos do Movimento pelo Passe Livre (MPL).

policiaviolenta

Não pode ser pelo aumento de R$ 0,20 (vinte centavos) porque sem razão uma vez que os trabalhadores tem direito ao vale transporte e que sua participação será de no máximo 6% (seis por cento) do seu salário básico.

Quero explicar da seguinte maneira: vamos considerar um trabalhador de salário mínimo (R$ 678) e que utiliza apenas um único transporte no valor de R$ 3 por dia e que ele trabalhe apenas de segunda a sexta, portanto, em média 20 dias mês. Os gastos que este trabalhador terá com transporte será sempre de R$ 40,68. Como o custo mensal de transporte será de R$ 120, a diferença quem paga é o empregador.

Digamos agora que este mesmo trabalhador tenha que trabalhar 44 horas semanais, incluindo os sábados. Neste caso ele terá 24 dias por mês para viajar, logo o custo do transporte sobe para 144. Ainda assim o trabalhador gastará apenas 40,68 e a diferença fica por conta do empregador. E se o trabalhador pegar duas conduções diárias para o trabalho, gastando R$ 6 para ir e R$ 6 para voltar, por vinte dias no mês o custo sobe para R$ 240, mas ainda assim ao trabalhador o custo fica parado lá nos R$ 40,68, quem paga o restante da conta é o empregador. Então o movimento tem algo mais que isto, certo?

Tenho companheiros no PT que veem no movimento a oportunidade para o partido se reaproximar dos movimentos sociais como neste depoimento de Val Carvalho no Facebook:

Quinta-feira, 13. Antes de ir a uma reunião no centro do Rio, passei por volta das 18 h na Candelária, onde estavam concentrados cerca de mil jovens para a passeata contra o aumento das passagens. Vi uma juventude com muita disposição de luta e entusiasmo com o seu próprio protagonismo. Havia muitas bandeiras do PSTU e PSOL e algumas da Juventude PT e da UJS. Foram feitas tentativas de se puxar palavras de ordens contra Dilma e o PT, mas sem grande apoio. Minha conclusão: pelo que vi e vejo em outras cidades, sobretudo em São Paulo, os jovens finalmente foram para as ruas e não vão mais sair delas. Não uma luta apenas contra o aumento das passagens, mas o desejo concreto de participar de algo maior, de protagonismo político. O PT tem o grande desafio de se reaproximar das lutas de massas, em especial da juventude. Não há nenhuma justificativa real para que o PT, mesmo sendo governo, não retome o seu antigo protagonismo social.

Oportunidade, oportunismo. Existe uma confusão ideológica no processo que me impede entender com clareza os objetivos. Afinal o que é que o MPL quer? No grito a redução das tarifas. Quer dizer: se o poder público determinar que os valores sejam os mesmos de antes do aumento a manifestação para? Porque essa história de tarifa zero é uma utopia num sistema capitalista e impraticável nas atuais condições. Além disso essa história surgiu no avançar da manifestação e não na origem dela. Honestamente não vi, não li e não tive qualquer informação de que os manifestantes estivessem reivindicando melhores condições do transporte urbano ou mesmo de garantir a mobilidade, uma vez que o trânsito das principais capitais estão em colapso, uns mais, outros menos, mas em colapso.

Nova Iguaçu, a 50 km da capital Rio de Janeiro já está em colapso!

protestoAgora vamos analisar da seguinte forma: não é pelo aumento de R$ 0,20 que acontecem as manifestações, mas há uma demanda social que clama por uma intervenção do Estado em favor das pessoas o que legitima o movimento. Que demanda é esta? O que afinal de contas querem os manifestantes?

Integrantes do MPL paulista Nina Campello, Erica de Oliveira, Daniel Guimarães e Rafael Siqueira escreveram para o insuspeito jornal Folha de São Paulo:

Isso é uma violência contra a maior parte da população, que como evidencia a matéria publicada ontem pelo portal UOL, chega a deixar de se alimentar para pagar a passagem. Calcula-se que são 37 milhões de brasileiros excluídos do sistema de transporte por não ter como pagar. Esse número, já defasado, não surgiu do nada: de 20 em 20 centavos, o transporte se tornou, de acordo com o IBGE, o terceiro maior gasto da família brasileira, retirando da população o direito de se locomover.

[…]

Além disso, perguntamos: e os salários da maior parte da população, acompanharam a inflação? (via Luis Nassif).

No texto não se lê outro argumento senão apenas o aumento das tarifas. Então aparecem contradições: de onde surgiu a informação que 37 milhões de brasileiros estão excluídos do sistema de transportes  por não ter com pagar? Quanto a questão do salário “da maior parte da população” que deve ser o salário mínimo (SM) realmente não acompanhou a inflação. Desde o primeiro mandato do presidente Lula o SM tem tido ganhos reais: nos últimos 10 anos o ganho real ficou em torno dos 70%.

Os manifestantes indicam como fonte para justificar o movimento um estudo publicado em setembro de 2006 e utilizado na Nota Técnica Produzida para o Crescimento do Brasil. Ora, de 2006 até os dias atuais mais de 30 milhões de pessoas saíram da linha de extrema pobreza e outros milhões passaram a pertencer a uma nova classe social. Certamente os números de 2006 não se adequam aos dias atuais.

Mas existe uma legitimidade no movimento. Existe porque o aumento, embora menor que o índice de inflação no período, não representa absolutamente o serviço prestado pelas concessionárias de transportes urbanos.

O que não se justifica é a violência que está se materializando nas passeatas. As polícias nunca foram preparadas para movimentações pacíficas. Eles precisam insultar, atiçar, provocar para justificar a necessidade de uma ação violenta contra os manifestantes. Contra bandidos armados se escondem em barricadas, carros blindados, falam mansinho quando não se associam à eles. A de São Paulo é a mais violenta de todo o país. Mas é de lá também de onde se originam as principais ideias preconceituosas, homofóbicas, racistas e de gente de “alta linhagem”. Pela primeira vez a Polícia conseguiu fazer a mídia paulista tecer críticas ao governo paulista do PSDB.

Toda forma de violência tem de ser condenada. Eu fui da Convergência Socialista e quando militante desta corrente petista a gente ia pra rua pra fazer acontecer de qualquer maneira e utilizando qualquer artifício. Os tempos eram outros porque embora já no regime democrático nossas instituições insistiam em preservar os valores do regime de exceção. Mas a luta tinha objetivos claros. Não era usando um argumento simbólico para atingir outros alvos. Nossas reivindicações eram clarificadas para que aquele que não aderisse à luta compreendesse a razão de lutar. Acho que é isto que falta neste momento. Os R$ 0,20 não justifica tal mobilização.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: