• Cientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”

    No Blog da Cidadania

    O cientista político Alberto Carlos Almeida é autor do livro “A Cabeça do Brasileiro” (Editora Record, 2007), que possui uma pesquisa reveladora e dados estatísticos de excepcional amplitude a respeito do perfil do brasileiro. Almeida é professor da Universidade Federal Fluminense.

    Publicou os livros “Por que Lula?” (Editora Record, 2006); “Como são Feitas as Pesquisas Eleitorais e de Opinião” (Editora FGV, 2002); e “Presidencialismo, Parlamentarismo e Crise Política no Brasil” (Eduff, 1998).

    Alberto Carlos Almeida possui doutorado em Ciência Política pelo IUPERJ; foi pesquisador visitante na The London School of Economics; e coordenou as pesquisas eleitorais e de opinião do DataUff entre 1996 e 2002 e da Fundação Getúlio Vargas entre 2002 e 2005.

    Quer ler mais? Clique aquiCientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”


  • EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY

    O Cafezinho

    Por Mariana Noviello

    Dilma Rousseff esteve no Reino Unido na semana passada onde ela participou de um evento acadêmico o Brazil UK Forum, organizado pelos estudantes das prestigiadas universidades de Oxford e LSE, e também conversou com a mídia, mulheres na academia e na política.

    Talvez de maior relevância tenha sido o encontro de Dilma com a alta cúpula do Labour Party (Partido Trabalhista Britânico).

    Parlamentares trabalhistas não só prestaram solidariedade à Presidenta em relação ao impeachment e a Lula, mas também se mostraram preocupados com a democracia no Brasil.

    Emily Thornberry, portavoz do Partido em assuntos internacionais, twitou: “Hoje, tive a honra de me encontrar com Dilma Rousseff, ex-presidenta do Brasil. Discutimos como a democracia em seu país está comprometida”. EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY


  • O que Temer não disse sobre os 2 anos de governo

    GNN Notícias

    [...] A cerimônia teve início às 15h no Salão Nobre do Palácio do Planalto, mas antes mesmo já foi marcada por polêmicas. Após o deslize do título "O Brasil voltou, 20 anos em 2", e a repercussão negativa, o convite para ministros e autoridades veio com outra nomenclatura: "Maio/2016-Maio/2018: o Brasil voltou".

    Ostentou de maneira exacerbada que houve uma queda na inflação e redução da taxa de juros. Juntou os números para preparar a cartilha "Avançamos - 2 anos de vitórias na vida de cada brasileiro", que foi o período de sua atuação desde que assumiu com a derrubada da presidente eleita Dilma Rousseff.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 798 outros seguidores

  • Recomendo leitura

Conjecturas políticas para minha cidade

Não adianta dizerem que a presidenta antecipou a campanha eleitoral. Ainda nem tinha tomado posse e a velha mídia, principal oposição ao governo federal, já discutia 2014.

Em Queimados não foi diferente: quando Max tratou de sua reeleição o fez de modo primeiro: a neutralizar as principais forças concorrentes; segundo: pensava não no governo da cidade, mas numa remota possibilidade para 2014.

Ôpa!… 2014?

Max Lemos, prefeito de Queimados

Max Lemos, prefeito de Queimados

Isso. O sonho de Max segundo as pessoas que o cercam é ser candidato a vice governador. Aí entra uma questão: de quem?

Ora, Pezão é candidato a governador pelo PMDB. O partido de Sérgio Cabral concorreria com chapa “puro-sangue”? Minha aposta é que não.

Há, então duas possibilidades concretas: a primeira delas é a decisão do PT no encontro estadual optar por aliança com o PMDB para garantir o apoio deste partido à presidenta Dilma aqui no Rio de Janeiro. Neste caso o PT reivindicaria a legítima indicação do vice na chapa. A outra conta com a candidatura de Lindbergh Farias a governador. Neste caso desembarcariam na chapa do PMDB os setores mais conservadores como o PSDB, PPS, PV, DEM, provavelmente o PSB e outros nanicos cariocas, com a indicação do vice na chapa cedida a um partido aliado, mais precisamente do PSDB ou PSB.

Sobraria para Max uma candidatura majoritária para o Senado, mas neste caso teria que contar com a desistência do seu aliado e amigo deputado estadual Jorge Piccianni, ainda sonhando com a carreira de Senador.

Não se sabe qual foi o acordo feito lá em 2012 para que Zaqueu Teixeira desistisse da candidatura a prefeito quando tinha todas as possibilidades de enfrentar Max Lemos com reais chances de se eleger, mas certamente torce hoje para que Lemos consiga seu objetivo permitindo a Márcia Teixeira, sua esposa e vice-prefeita, assumir a prefeitura em Abril de 2014.

Ainda tem muita conversa a ser feita, muitas opiniões a serem dadas, mas fato é que no PMDB queimadense tem corrente de pensamento que não admite entregar ao PT um governo que foi conquistado pelo PMDB.

 

ChamadaMiliWeb

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: