• Cientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”

    No Blog da Cidadania

    O cientista político Alberto Carlos Almeida é autor do livro “A Cabeça do Brasileiro” (Editora Record, 2007), que possui uma pesquisa reveladora e dados estatísticos de excepcional amplitude a respeito do perfil do brasileiro. Almeida é professor da Universidade Federal Fluminense.

    Publicou os livros “Por que Lula?” (Editora Record, 2006); “Como são Feitas as Pesquisas Eleitorais e de Opinião” (Editora FGV, 2002); e “Presidencialismo, Parlamentarismo e Crise Política no Brasil” (Eduff, 1998).

    Alberto Carlos Almeida possui doutorado em Ciência Política pelo IUPERJ; foi pesquisador visitante na The London School of Economics; e coordenou as pesquisas eleitorais e de opinião do DataUff entre 1996 e 2002 e da Fundação Getúlio Vargas entre 2002 e 2005.

    Quer ler mais? Clique aquiCientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”


  • EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY

    O Cafezinho

    Por Mariana Noviello

    Dilma Rousseff esteve no Reino Unido na semana passada onde ela participou de um evento acadêmico o Brazil UK Forum, organizado pelos estudantes das prestigiadas universidades de Oxford e LSE, e também conversou com a mídia, mulheres na academia e na política.

    Talvez de maior relevância tenha sido o encontro de Dilma com a alta cúpula do Labour Party (Partido Trabalhista Britânico).

    Parlamentares trabalhistas não só prestaram solidariedade à Presidenta em relação ao impeachment e a Lula, mas também se mostraram preocupados com a democracia no Brasil.

    Emily Thornberry, portavoz do Partido em assuntos internacionais, twitou: “Hoje, tive a honra de me encontrar com Dilma Rousseff, ex-presidenta do Brasil. Discutimos como a democracia em seu país está comprometida”. EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY


  • O que Temer não disse sobre os 2 anos de governo

    GNN Notícias

    [...] A cerimônia teve início às 15h no Salão Nobre do Palácio do Planalto, mas antes mesmo já foi marcada por polêmicas. Após o deslize do título "O Brasil voltou, 20 anos em 2", e a repercussão negativa, o convite para ministros e autoridades veio com outra nomenclatura: "Maio/2016-Maio/2018: o Brasil voltou".

    Ostentou de maneira exacerbada que houve uma queda na inflação e redução da taxa de juros. Juntou os números para preparar a cartilha "Avançamos - 2 anos de vitórias na vida de cada brasileiro", que foi o período de sua atuação desde que assumiu com a derrubada da presidente eleita Dilma Rousseff.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 798 outros seguidores

  • Recomendo leitura

Responsabilidade eleitoral: onde reside o problema

Eu não tenho aqui no blog muitos leitores. Aliás, como tê-los se as “porcarias” telefônicas não usam mais cabear para internet banda larga na cidade Queimados e cidades vizinhas? G3 é frágil, não sustenta conexão, e caro, e é o principal investimento das companhias sem responsabilidade social como Oi, Tim, Claro e Vivo. Onde está a banda larga do governo federal? Lamentações à parte, volto ao assunto motivador deste artigo: alertar aos eleitores queimadenses – e outros – sobre a responsabilidade eleitoral.

Fui convidado por um amigo para fazer o planejamento estratégico da sua campanha numa cidade da Baixada Fluminense e uma de suas preocupações é imprimir uma ‘marca’ à sua candidatura independente dos resultados finais. Isso quer dizer que este candidato quer ser reconhecido por uma ‘marca’ o que significa agregar valor à candidatura, mas fundamentalmente ao candidato, nesta e nas futuras investiduras eleitorais.

Enquanto se elaborava didaticamente os meios para descobrir os pontos fortes, os fracos, as ameaças e as oportunidades da candidatura e do candidato, ele me solicitou um material que pudesse expressar sua preocupação com a Responsabilidade Eleitoral para as candidaturas, inclusive as proporcionais. Ele quer deixar claro para os eleitores de sua cidade que parlamentares não asfaltam ruas, não constroem escolas, não contratam médicos e que benefícios como cestas básicas, centros sociais que cortam cabelo, faz barba, depila e distribui medicamentos (?) tem um preço e se o eleitor não paga hoje, pagará sem perceber quando o filantrópico candidato for eleito.

Como se diz em Economia e na Administração “não existe almoço grátis!” O preço da oportunidade de se ter um benefício desses durante uma campanha eleitoral pode ser profundamente danoso, não apenas para o eleitor beneficiado, mas para toda a cidade.

Precisamos todos ter consciência do papel do vereador. Vereador deve fiscalizar os atos do prefeito (origem e volume da arrecadação; aplicação dos recursos municipais; obras executadas etc.); deve propor Projetos de Leis visando melhorar a vida das cidadãs e cidadãos e votar o Orçamento Municipal. São três princípios básicos para os quais a sociedade não teria tempo para fazê-lo integralmente. Por isso elegemos representantes. O vereador é eleito para dar cabo a tais tarefas.

E as ruas? O Asfalto? A Educação? A Saúde? Quem cuida disso tudo?

O Poder Executivo. É o prefeito o responsável por cuidar de tais tarefas e para tal reúne um grupo de assessores que recebem o nome de Secretários de Governo. Estes devem ser técnicos com sensibilidade política. Há um problema na Gestão Pública de formação do Gestor, então defendo uma equipe pedagógica para dar cabo à formação dos Gestores em cada cidade a fim de preparar o quadro político para as questões técnicas com Responsabilidade Social, realizar pesquisa de clima, preparação e aperfeiçoamento de equipes de trabalho, disseminação e fortalecimento da cultura, dos valores que o governo preserva direcionando-os para os objetivos claramente traçados pelo Poder Executivo. Mas cabe exclusivamente ao Poder Executivo dar conta de administrar a cidade. Logo, se um candidato a vereador tenta iludi-lo com promessas de realizar obras ele está incorrendo numa ação aética e sendo irresponsável eleitoralmente falando. Mas a questão da Responsabilidade Eleitoral reside no cidadão. É ele quem tem o dever de interpretar corretamente as funções de cada cargo eletivo e identificar se a mensagem de campanha corresponde àquilo que de fato é atribuição do cargo para o qual o candidato concorre.

Em Queimados, recentemente o prefeito Max Lemos foi inaugurar uma obra na cidade e todos os demais vereadores, com exceção de um, se arvoravam autores da indicação da obra. Foi necessário que um dissesse NÃO, não é do vereador a autoria da obra, mas do Poder Executivo da cidade. Uma imagem postada no Facebook ilustrava a mensagem que se desejava passar. Duas faixas presas em dois postes numa cidade de São Paulo: uma dizia que a comunidade agradecia o vereador TAL pelas obras realizadas; outra dizia que a comunidade não agradecia a ninguém porque a obra era uma obrigação do Poder Público.

Acredito na conscientização das pessoas. Acredito na possibilidade de mudança a partir do próprio indivíduo porque o problema da Responsabilidade Eleitoral reside no próprio eleitor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: