• Cientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”

    No Blog da Cidadania

    O cientista político Alberto Carlos Almeida é autor do livro “A Cabeça do Brasileiro” (Editora Record, 2007), que possui uma pesquisa reveladora e dados estatísticos de excepcional amplitude a respeito do perfil do brasileiro. Almeida é professor da Universidade Federal Fluminense.

    Publicou os livros “Por que Lula?” (Editora Record, 2006); “Como são Feitas as Pesquisas Eleitorais e de Opinião” (Editora FGV, 2002); e “Presidencialismo, Parlamentarismo e Crise Política no Brasil” (Eduff, 1998).

    Alberto Carlos Almeida possui doutorado em Ciência Política pelo IUPERJ; foi pesquisador visitante na The London School of Economics; e coordenou as pesquisas eleitorais e de opinião do DataUff entre 1996 e 2002 e da Fundação Getúlio Vargas entre 2002 e 2005.

    Quer ler mais? Clique aquiCientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”


  • EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY

    O Cafezinho

    Por Mariana Noviello

    Dilma Rousseff esteve no Reino Unido na semana passada onde ela participou de um evento acadêmico o Brazil UK Forum, organizado pelos estudantes das prestigiadas universidades de Oxford e LSE, e também conversou com a mídia, mulheres na academia e na política.

    Talvez de maior relevância tenha sido o encontro de Dilma com a alta cúpula do Labour Party (Partido Trabalhista Britânico).

    Parlamentares trabalhistas não só prestaram solidariedade à Presidenta em relação ao impeachment e a Lula, mas também se mostraram preocupados com a democracia no Brasil.

    Emily Thornberry, portavoz do Partido em assuntos internacionais, twitou: “Hoje, tive a honra de me encontrar com Dilma Rousseff, ex-presidenta do Brasil. Discutimos como a democracia em seu país está comprometida”. EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY


  • O que Temer não disse sobre os 2 anos de governo

    GNN Notícias

    [...] A cerimônia teve início às 15h no Salão Nobre do Palácio do Planalto, mas antes mesmo já foi marcada por polêmicas. Após o deslize do título "O Brasil voltou, 20 anos em 2", e a repercussão negativa, o convite para ministros e autoridades veio com outra nomenclatura: "Maio/2016-Maio/2018: o Brasil voltou".

    Ostentou de maneira exacerbada que houve uma queda na inflação e redução da taxa de juros. Juntou os números para preparar a cartilha "Avançamos - 2 anos de vitórias na vida de cada brasileiro", que foi o período de sua atuação desde que assumiu com a derrubada da presidente eleita Dilma Rousseff.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 799 outros seguidores

  • Recomendo leitura

Não confundam Comissão de Ética com CPMI

Boa tarde Dine Estela, Felipe Carvalho e amigos da Rádio Novos Rumos.

Por incrível que pareça há uma certa confusão entre os trabalhos da CPMI que investiga o esquema de Carlinhos Cachoeira e suas diversas ramificações criminosas, com o trabalho da Comissão de Ética do senado que investiga a quebra de decoro parlamentar do senador Demóstenes Torres, do Democratas de Goiás.

No linguajar popular “uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa” e, embora umbilicalmente relacionadas, elas não se misturam no campo jurídico neste momento. Que o senador está envolvido até o pescoço com o esquema criminoso do contraventor Carlinhos Cachoeira é inegável, mas se a CPMI tenta descobrir as verdades ainda ocultas nesse esquema com prisões já efetuadas sendo a do próprio Cachoeira e do ex-diretor da Delta, Claudio Abreu; já a Comissão de Ética e Decoro Parlamentar do senado cuida de apurar a quebra de decoro de Demóstenes Torres e julga-lo politicamente. Somente após este julgamento é que Demóstenes poderá responder criminalmente por seus atos.

Diante dessa possibilidade a defesa do senador, tenta de todas as formas induzir a Comissão de Ética do senado ao caminho mais longo refutando provas ou solicitando perícias das fitas gravadas pela Polícia Federal alegando edições descontextualizadas. Mas o senador Humberto Costa, do PT de Pernambuco e relator do caso Demóstenes Torres, no seu relatório inicial não utilizou as fitas como argumentos para fundamentar o seu voto e, segundo Humberto Costa, ele vai relativizar este fator também no seu relatório final:

 

 

Este caso, Dine Estela, o do senador Demóstenes já é dado como favas contadas pela velha mídia. O conglomerado midiático tinha na figura do senador o arauto da ética e seu principal elemento no Congresso Nacional para bater duro no governo federal. Hoje a mídia se sente traída pelo senador e o entregaram à degola, por isso é que pouco se fala dos trabalhos da Comissão de Ética e concentram a pauta na CPMI, porque é dali que poderá sair o golpe mais poderoso contra a quadrilha que roubava no Brasil, arquitetava golpes e construíam o principal discurso contra o governo federal. Uma quadrilha que contava com bandidos de toda classe: de toga, políticos e os que atuavam em nome da liberdade de imprensa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: