Lei Geral da Copa: agora o caldo já entornou

Comentário para a RNR em 10/5/2012 às 12:35h

Boa tarde Dine Estela e amigos da Rádio Novos Rumos

Ontem o Senado aprovou a Lei Geral da Copa. Há os que dizem que não foi um bom negócio porque teremos que nos submeter a algumas exigências da FIFA, como permitir a venda de bebidas alcoólicas nos estádios de futebol, mas os parlamentares reconheceram que o legado pós-copa será de grande valia para o povo brasileiro.

A Relatora, senadora Ana Amélia (PP/RS) fez uma ressalva e incluiu no texto do projeto o termo “transitoriedade” e “exclusivamente para o período da copa”, o que significa dizer que a Lei não poderá ser usada pelo comércio de bebidas para tentar vendê-las nos estádios fora do período da Copa das Confederações ano que vem, e na Copa do Mundo de 2014.

Particularmente penso que estes termos exigidos pela FIFA deveriam ser de conhecimento de todos antes mesmo do governo brasileiro investir na candidatura para sediar a Copa. E mais: que ao tomar conhecimento das exigências o povo brasileiro pudesse se manifestar sobre permitir ou não que uma entidade internacional como a FIFA pudesse corromper nossas Leis e costumes para realizar um evento da natureza que é o futebol.

Sabidamente o povo brasileiro é o povo que se mostra mais apaixonado por essa coisa futebol, mas não me é concebível que uma entidade se coloque acima das Leis e Costumes de uma nação e tome por sua, bens e direitos dos consumidores, do comércio local e das individualidades das pessoas.

Sou favorável a realização da Copa porque, sem dúvida, trará benefícios grandes para a sociedade brasileira. Muito do investimento que se faz hoje no Brasil inteiro tem relação com a Copa de 2014 e com as Olimpíadas de 2016. A cidade do Rio de Janeiro é hoje um canteiro de obras que vai renovar a cara do Rio. Vamos ter melhorias nos transportes, na saúde e já estamos tendo na educação. Nas escolas municipais do Rio de Janeiro as crianças estão aprendendo uma segunda língua e este bem é inegavelmente intangível.

A Lei Geral da Copa, por suas concessões, me obriga a dizer que qualquer evento de grande porte a ser realizado no Brasil por uma entidade não brasileira precisa ter suas regras e exigências colocadas transparentemente para que todos possam conhecê-las e, assim, aprovar ou rejeitar o evento de acordo com suas Leis e Costumes. Aliás, a meu ver, isso deve se tornar Lei e nem mesmo o governo federal pode assumir acordo que intervenha em nossas Leis e Costumes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: