• Cientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”

    No Blog da Cidadania

    O cientista político Alberto Carlos Almeida é autor do livro “A Cabeça do Brasileiro” (Editora Record, 2007), que possui uma pesquisa reveladora e dados estatísticos de excepcional amplitude a respeito do perfil do brasileiro. Almeida é professor da Universidade Federal Fluminense.

    Publicou os livros “Por que Lula?” (Editora Record, 2006); “Como são Feitas as Pesquisas Eleitorais e de Opinião” (Editora FGV, 2002); e “Presidencialismo, Parlamentarismo e Crise Política no Brasil” (Eduff, 1998).

    Alberto Carlos Almeida possui doutorado em Ciência Política pelo IUPERJ; foi pesquisador visitante na The London School of Economics; e coordenou as pesquisas eleitorais e de opinião do DataUff entre 1996 e 2002 e da Fundação Getúlio Vargas entre 2002 e 2005.

    Quer ler mais? Clique aquiCientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”


  • EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY

    O Cafezinho

    Por Mariana Noviello

    Dilma Rousseff esteve no Reino Unido na semana passada onde ela participou de um evento acadêmico o Brazil UK Forum, organizado pelos estudantes das prestigiadas universidades de Oxford e LSE, e também conversou com a mídia, mulheres na academia e na política.

    Talvez de maior relevância tenha sido o encontro de Dilma com a alta cúpula do Labour Party (Partido Trabalhista Britânico).

    Parlamentares trabalhistas não só prestaram solidariedade à Presidenta em relação ao impeachment e a Lula, mas também se mostraram preocupados com a democracia no Brasil.

    Emily Thornberry, portavoz do Partido em assuntos internacionais, twitou: “Hoje, tive a honra de me encontrar com Dilma Rousseff, ex-presidenta do Brasil. Discutimos como a democracia em seu país está comprometida”. EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY


  • O que Temer não disse sobre os 2 anos de governo

    GNN Notícias

    [...] A cerimônia teve início às 15h no Salão Nobre do Palácio do Planalto, mas antes mesmo já foi marcada por polêmicas. Após o deslize do título "O Brasil voltou, 20 anos em 2", e a repercussão negativa, o convite para ministros e autoridades veio com outra nomenclatura: "Maio/2016-Maio/2018: o Brasil voltou".

    Ostentou de maneira exacerbada que houve uma queda na inflação e redução da taxa de juros. Juntou os números para preparar a cartilha "Avançamos - 2 anos de vitórias na vida de cada brasileiro", que foi o período de sua atuação desde que assumiu com a derrubada da presidente eleita Dilma Rousseff.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 799 outros seguidores

  • Recomendo leitura

Melhoria das condições financeiras não é sinônimo de qualidade de vida

Boa tarde Dine Estela, Zé Carlos e amigos da Rádio Novos Rumos.

Este feriado do dia do trabalho passado, dia 1º de maio, estive no conjunto recém inaugurado com pompas pelo poder público local, embora tenha sido feito pelo governo federal.

A chuva caía impiedosamente sobre a cidade e pude constatar algumas falhas de engenharia na construção do prédio que visitei. Logo na entrada do bloco seis uma enorme poça de água se acumulava e ameaçava os apartamentos do andar térreo. Observei que há um ligeiro desnível no piso de modo prejudicial aos beneficiados daquele prédio. A escada que os leva aos andares superiores está sem acabamento deixando um aspecto terrível de manutenção da pobreza extrema que ainda insiste existir entre nós.

Mas o que me impressionou de fato foi a quantidade de lixo espalhado pela área externa dos prédios. Me pareceu claramente que o poder público local não estabeleceu uma política de recolhimento do lixo no conjunto Valdariosa mesmo sabendo que a quantidade de pessoas que passariam a habitar ali seria de pelo menos 500 famílias. Ora, sem uma política regular de recolhimento do lixo torna claro que vamos encontrar lixo no local, mas não necessariamente espalhado pelo pátio externo como vimos.

Daí que cheguei a conclusão que o poder público local precisa intervir educacionalmente na comunidade a fim promover uma educação sanitária e assim evitar que possam ocorrer doenças que são direta ou indiretamente motivadas por um ambiente insalubre. As pessoas que foram beneficiadas são pobres e que conviveram muito tempo em ambientes insalubres com a ausência de serviços públicos como o de recolhimento do lixo e, naturalmente, preservam a mesma cultura o que não é aceitável no novo condomínio.

O condomínio, se não é de luxo, pelo menos esperava se oferecer melhor qualidade de vida para as pessoas. Mas só lhes garantir a moradia não basta. É preciso lhes garantir uma educação que de fato lhes proporcionem qualidade de vida. Se antes jogavam lixo em qualquer lugar, ágoras se faz necessário uma reeducação a fim de dar ao lixo um destino adequado. E isso só será possível se o poder público local intervir e promover encontros com as pessoas que já se estabeleceram em seus imóveis com palestras e ações efetivas como a de determinar o recolhimento de lixo do local de maneira regular e sistemática.

E cheguei à conclusão de que a melhoria das condições financeiras não é sinônimo de qualidade de vida. Em fevereiro fui à Nova Iguaçu e vi muitas pessoas comprando muito, o que é bom, mas também vi muitas pessoas já cheias de sacolas jogando o lixo na rua, o que não é bom. Precisamos mudar nosso comportamento, sobretudo nessa questão do descarte do inservível e só um processo educacional é capaz de dar conta disso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: