• Cientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”

    No Blog da Cidadania

    O cientista político Alberto Carlos Almeida é autor do livro “A Cabeça do Brasileiro” (Editora Record, 2007), que possui uma pesquisa reveladora e dados estatísticos de excepcional amplitude a respeito do perfil do brasileiro. Almeida é professor da Universidade Federal Fluminense.

    Publicou os livros “Por que Lula?” (Editora Record, 2006); “Como são Feitas as Pesquisas Eleitorais e de Opinião” (Editora FGV, 2002); e “Presidencialismo, Parlamentarismo e Crise Política no Brasil” (Eduff, 1998).

    Alberto Carlos Almeida possui doutorado em Ciência Política pelo IUPERJ; foi pesquisador visitante na The London School of Economics; e coordenou as pesquisas eleitorais e de opinião do DataUff entre 1996 e 2002 e da Fundação Getúlio Vargas entre 2002 e 2005.

    Quer ler mais? Clique aquiCientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”


  • EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY

    O Cafezinho

    Por Mariana Noviello

    Dilma Rousseff esteve no Reino Unido na semana passada onde ela participou de um evento acadêmico o Brazil UK Forum, organizado pelos estudantes das prestigiadas universidades de Oxford e LSE, e também conversou com a mídia, mulheres na academia e na política.

    Talvez de maior relevância tenha sido o encontro de Dilma com a alta cúpula do Labour Party (Partido Trabalhista Britânico).

    Parlamentares trabalhistas não só prestaram solidariedade à Presidenta em relação ao impeachment e a Lula, mas também se mostraram preocupados com a democracia no Brasil.

    Emily Thornberry, portavoz do Partido em assuntos internacionais, twitou: “Hoje, tive a honra de me encontrar com Dilma Rousseff, ex-presidenta do Brasil. Discutimos como a democracia em seu país está comprometida”. EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY


  • O que Temer não disse sobre os 2 anos de governo

    GNN Notícias

    [...] A cerimônia teve início às 15h no Salão Nobre do Palácio do Planalto, mas antes mesmo já foi marcada por polêmicas. Após o deslize do título "O Brasil voltou, 20 anos em 2", e a repercussão negativa, o convite para ministros e autoridades veio com outra nomenclatura: "Maio/2016-Maio/2018: o Brasil voltou".

    Ostentou de maneira exacerbada que houve uma queda na inflação e redução da taxa de juros. Juntou os números para preparar a cartilha "Avançamos - 2 anos de vitórias na vida de cada brasileiro", que foi o período de sua atuação desde que assumiu com a derrubada da presidente eleita Dilma Rousseff.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 799 outros seguidores

  • Recomendo leitura

Dengue – A Estratégia Agora é Outra (I)

Por que está tão difícil controlar o Aedes aegypti, transmissor da dengue?

A pergunta não é fácil de ser respondida porque a engrenagem estrutural para o controle do inseto é extremamente complexa como veremos neste trabalho. O serviço de controle do mosquito vem desde 1986, quando foi desenvolvido um excelente trabalho na Baixada Fluminense, e que serviu de modelo para as outras cidades do país, mas daquele ano até os dias atuais, a dinâmica operacional sofreu muitas interferências internas e externas a ponto de permitir o questionamento: o que acontece neste serviço feito por anos e anos que, apesar dos esforços e dos recursos aplicados, não conseguimos controlar o Aedes aegypti de maneira a evitar os surtos de dengue que abarrotam hospitais e postos de saúde e provocam algumas mortes por fenômenos hemorrágicos?

Até bem pouco tempo não havia um ponto de partida para estudar o assunto e tentar aplacar esta inquietação até ser possível observar o trabalho de um guarda de endemias , um trabalhador que realiza visitas domiciliares com o objetivo de executar uma ação de controle do mosquito transmissor da dengue. Este trabalhador acionou a campainha de uma casa até ser atendido pela moradora. Ele se identificou dizendo trabalhar no “combate a dengue” efetuando algumas perguntas tipo: “a senhora tem plantinha na água?”; “a senhora tem pneus no quintal?”; “a caixa d’água da senhora tem tampa?”; “a senhora tem algum reservatório de água sem tampa?”. Diante de negativas consecutivas, com exceção da terceira pergunta que foi positiva, o agente agradeceu e foi embora. Ele não tocou na casa seguinte, o que permitiria uma leitura da modalidade de trabalho se não fosse pela irregularidade percebida. Se não na casa seguinte, na outra imediatamente após ele foi atendido por um homem surdo e não foi possível estabelecer um diálogo. O agente anota alguma coisa em seu boletim e vai para a casa imediatamente após. Qual teria sido o motivo do agente ignorar uma das casas daquela rua? Esse comportamento profissional é intrigante e mais intrigante ainda foi a maneira como ele se comportou ao realizar o trabalho na primeira casa porque não é assim o procedimento recomendado.

Ora, desde 1986, quando a extinta Superintendência de Campanhas de Saúde Pública – SUCAM realizou um excelente trabalho na Baixada Fluminense, os anos que se seguiram tiveram sucessivos surtos de dengue em função da presença do vetor nos grandes centros urbanos com índice de infestação predial sempre alarmante, e assim tem sido até os dias atuais. Por que razão anos de investimentos em recursos materiais, financeiros e humanos empregados neste serviço não apresentam resultados efetivamente satisfatórios? O episódio citado anteriormente envolvendo um agente de endemias tem relação causal com os recorrentes surtos de dengue nas cidades? E por que o agente agiu daquela forma? Que consciência tem este trabalhador da importância da tarefa que lhe foi confiada? E por qual motivo 25 anos depois da reintrodução do vírus I da dengue no Rio de Janeiro ainda não conseguimos controlar efetivamente o mosquito transmissor ao ponto de impedi-lo transmitir a doença? Estariam os guardas de endemias desmotivados? Se sim, por qual motivo? Como é realizado o trabalho de controle do mosquito Aedes aegypti desde o seu planejamento até a avaliação final do processo depois de municipalizado? Como se dão as relações entre os vários grupos de trabalhadores municipais e federais e como essa relação interfere na práxis profissional do agente de controle de endemias?

Uma resposta

  1. Interessante sua narrativa, no entanto, gostaria de saber quem fez esse excelente trabalho na Baixada e porque não deu continuidade?

    Também penso que além da responsabilidade de cada indivíduo não podemos descartar a questão da governabilidade e sistema de urbanização das cidades.

    Pude observar neste mês que estou aqui na Flórida que apesar de ser uma cidade rodeada por lagos e rios, não se vê mosquitos, mas também não se vê água a céu aberto. O escoamento das vias é muito bem feito e não existe operações tapa-buracos como aí.

    Além disso, todas as casas têm telas e ar condicionado, outro destaque para a não proliferação do mosquito.

    Existe a questão econômica muito forte, afinal estamos falando de um país de primeiro mundo em que até os mais pobres tem carro na garagem. Moro numa comunidade de imigrantes brasileiros aqui e tenho visto isso tudo bem de perto.

    Sem contar que este mosquito é realmente mais proeminente de países tropicais, o que não é o caso dos EUA. Apesar de chover muito aqui, também faz muito sol e ventos fortes, o que não facilita a vida do vetor da dengue.

    Penso que para resolver a questão do Brasil há que se tomar uma série de medidas de conscientização a começar por abolir essa pesquisa por amostragem. Ou seja, o agente pulou uma casa poruqe esse é o tipo de padrão de pesquisa que se faz há décadas para mapear os bairros visitados.

    Como se faz com as pesquisas de opinião.

    Essa mania que o brasileiro tem de querer imitar o internacional com por exemplo a falta de diploma para o curso de jornalismo. Aqui não precisa porque este curso está incluso em todos os outros cursos. Até os médicos tem de fazer um semestre só sobre comunicação, o que não impede a existência de cursos específicos para comunicação. Mas os políticos brasileiros pegam a informação por alto e querem adaptar para uma realidade brasileira totalmente controversa.

    Contextualizei o último parágrafo para esclarecer que não dá para utilizar o mesmo método para todo tipo de pesquisa. A casa que o agente pulou seria um foco em potencial do Aedes aegypti, Será que a solução para o Brasil, não estaria em fazer então uma recilcagem com os agentes de edemias, só para começar a melhorar o serviço. Não que esse seja o único problema.

    Penso que no final das contas a culpa não é do agente que seguiu um padrão de pesquisa e sim o sistema. Esse maldito sistema!
    Bjs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: