• Cientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”

    No Blog da Cidadania

    O cientista político Alberto Carlos Almeida é autor do livro “A Cabeça do Brasileiro” (Editora Record, 2007), que possui uma pesquisa reveladora e dados estatísticos de excepcional amplitude a respeito do perfil do brasileiro. Almeida é professor da Universidade Federal Fluminense.

    Publicou os livros “Por que Lula?” (Editora Record, 2006); “Como são Feitas as Pesquisas Eleitorais e de Opinião” (Editora FGV, 2002); e “Presidencialismo, Parlamentarismo e Crise Política no Brasil” (Eduff, 1998).

    Alberto Carlos Almeida possui doutorado em Ciência Política pelo IUPERJ; foi pesquisador visitante na The London School of Economics; e coordenou as pesquisas eleitorais e de opinião do DataUff entre 1996 e 2002 e da Fundação Getúlio Vargas entre 2002 e 2005.

    Quer ler mais? Clique aquiCientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”


  • EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY

    O Cafezinho

    Por Mariana Noviello

    Dilma Rousseff esteve no Reino Unido na semana passada onde ela participou de um evento acadêmico o Brazil UK Forum, organizado pelos estudantes das prestigiadas universidades de Oxford e LSE, e também conversou com a mídia, mulheres na academia e na política.

    Talvez de maior relevância tenha sido o encontro de Dilma com a alta cúpula do Labour Party (Partido Trabalhista Britânico).

    Parlamentares trabalhistas não só prestaram solidariedade à Presidenta em relação ao impeachment e a Lula, mas também se mostraram preocupados com a democracia no Brasil.

    Emily Thornberry, portavoz do Partido em assuntos internacionais, twitou: “Hoje, tive a honra de me encontrar com Dilma Rousseff, ex-presidenta do Brasil. Discutimos como a democracia em seu país está comprometida”. EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY


  • O que Temer não disse sobre os 2 anos de governo

    GNN Notícias

    [...] A cerimônia teve início às 15h no Salão Nobre do Palácio do Planalto, mas antes mesmo já foi marcada por polêmicas. Após o deslize do título "O Brasil voltou, 20 anos em 2", e a repercussão negativa, o convite para ministros e autoridades veio com outra nomenclatura: "Maio/2016-Maio/2018: o Brasil voltou".

    Ostentou de maneira exacerbada que houve uma queda na inflação e redução da taxa de juros. Juntou os números para preparar a cartilha "Avançamos - 2 anos de vitórias na vida de cada brasileiro", que foi o período de sua atuação desde que assumiu com a derrubada da presidente eleita Dilma Rousseff.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 798 outros seguidores

  • Recomendo leitura

Educação para o Século XXI

Discutir um programa de governo para a educação é um exercício que demanda uma discussão preliminar sobre o Para que discutir um programa de governo de educação?

Por que começo por assim dizer sobre construir propostas políticas para a educação de uma cidade como Queimados? Porque se trata de analisar criticamente os processos históricos da superestrutura educacional. Construir um programa educacional pressupõe dar passos à direita ou à esquerda e, qualquer que seja a decisão tomada sobre qual sentido seguir, este procedimento se dará diagonalmente para frente, nunca na horizontal ou para trás porque impossível.

Tomar a iniciativa de dar este passo significa: 1) compreender que à esquerda o caminho é de ruptura de um processo histórico do qual Louis Althusser chamou de Aparelho Ideológico de Estado e que reproduz, na escola, a ideologia de uma minoria dominante, e fazer opção pela ruptura porque é também na escola onde se opera a resistência à esta ideologia; 2) compreender que à direita é de manutenção das estruturas que perpetuam a ideologia daquela minoria. Assim, àquele que o faz tem de levar em conta as necessidades exigidas para a obtenção da eficácia esperada. Optar por uma ou por outra direção significa escolher entre manter a escola do jeito que ela foi pensada com as mesmas características do início do Século XX, ou promover uma ruptura dessa ideologia para trazer a escola para o Século XXI; 3) É compreender, como disse M. Pêcheux (Unicamp, 2009), que a “história é um sistema natural-humano em movimento cujo motor é a luta de classes” e que a escola é um dos palcos onde esta luta se manifesta de modo mais operacional porque busca-se inculcar valores de uma classe ou de outra.

Essa luta de classes não se extinguiu com o fim do regime militar, não se extinguiu com a eleição de um metalúrgico e nem se extinguirá com o fim do mandato da presidente Dilma, seja daqui a três anos ou daqui a sete anos. Essa luta se manterá viva e em constante movimento. Podemos perceber isso nos dias atuais com os meios de comunicação. A velha mídia adota uma postura vergonhosa de manipulação da informação, ocultação da verdade ou mesmo invenção de fatos para retomar o controle do poder que detinha até a posse do presidente Lula. Não, eu não estou confuso e nem quero confundi-lo. Digo o que digo porque a velha mídia sempre esteve no poder: foi assim com os militares e com os primeiros governos civis, de José Sarney (com a não posse de Tancredo Neves, em 1985, primeiro governo civil eleito pelo voto dos congressistas) até o último dia mandato de Fernando Henrique Cardoso, em 30 de dezembro de 2002, eleito democraticamente pelo voto direto dos eleitores. Tais governos e barões da mídia se afortunavam em conluio a despeito da necessidade do povo brasileiro.

Até ali, no fim do mandato de Fernando Henrique Cardoso, a escola era majoritariamente a escola da classe dominante embora, como já disse, nessa mesma escola se praticavam a resistência ideológica, e ela não se alterou ao longo do Século XX, ao contrário, ainda hoje se sente os efeitos de uma ideologia excludente dualizando a escola – uma [pública] para os pobres e outra [particular] para os ricos para o ensino fundamental e médio. Na Universidade essa lógica se invertia. As públicas serviam aos ricos e as particulares aos pobres.

O governo federal tem empreendido esforços no sentido de mudar esse quadro e tem tido êxito, mas os efeitos dessa positividade só são perceptíveis nos níveis superiores (universitário e extensões), tanto que as Universidades Públicas já atendem a significativa parcela das camadas mais pobres. Aliás, esse tem sido motivo de homéricos embates entre a velha mídia e o governo federal. O ENEM, Exame Nacional do Ensino Médio, principal ferramenta que possibilita o acesso à Universidade, tem sido duramente combatido por homens e mulheres da imprensa nacional a serviço dos barões das mídias. Nos níveis fundamental e médio os avanços tem sido milimétricos para a escola pública e com um pouco mais de ousadia para a escola particular. Nos Estados da federação e nos municípios brasileiros percebe-se um temor em fazer uma escola pública moderna e revolucionária. Não apenas pelo que isso pode representar ideologicamente, mas, sobretudo, porque os investimentos são altos e isso implica abrir mão das vaidades para aplicar no essencial.

Até mesmo políticos do campo da esquerda evitam tocar em questões fundamentais da estrutura da educação pública. Convivi com a negativa de chamar a comunidade escolar para discutir o FUNDEB (FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E DE VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) porque ali se possibilita muitos desvios sem deixar rastros, e sob a vigilância atenta de educadores, alunos e demais profissionais da escola essa possibilidade diminui drasticamente, isso quando ainda um determinado candidato de um partido de esquerda tinha remotas chances de se eleger.

Mas isto não é tudo! Um programa de governo que opte pela ruptura das estruturas do atual modelo pedagógico é também uma opção que exige qualificação na práxis pedagógica, mas, sobretudo, na gestão de um novo modelo educacional. E porque pessoas qualificadas? Porque este modelo dá trabalho, exige um pensar permanente, demanda saber trabalhar em equipe, saber ouvir e intervir somente quando realmente necessário. Já parou para pensar como se comportam os homens que assumem a coisa pública? Não tenho medo em afirmar que a maioria dos não qualificados se considera basto para tocar os empreendimentos necessários. E por isso vemos muitas cidades empurrar os problemas educacionais [e tantos outros] para o futuro sem resolvê-los.

Administrar a coisa pública é muito mais complexo que administrar a coisa particular. Se nas organizações particulares o administrador tem de se preocupar com os colaboradores (funcionários, fornecedores, clientes e parceiros), o administrador público precisa ampliar esse leque para observar os interesses primeiro do chefe do executivo (prefeito, governador, presidente) para em seguida observar dos partidos políticos, dos mandatos no parlamento e da sociedade supra-ideologizada a fim de encontrar um ponto convergente e tomar as decisões mais acertadas.

Então debruçar sobre os problemas educacionais de uma cidade requer antes de tudo uma escolha ideológica. Qual dos caminhos seguir? O que, de fato, queremos com a educação para os meninos e meninas da cidade onde vivemos? Quem mediará o empreendimento? Queremos colaboradores que contribuam com nossos objetivos ou subalternos que nos façam apenas o que lhe recomendamos? A opção escolhida foi acolhida pelos parceiros políticos? Quando encontrarmos respostas para estas questões poderemos, a partir daí, construir um programa a ser apresentado à sociedade. Fora isto, toda discussão culminará numa colcha de subjetividades impraticáveis.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: