• Cientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”

    No Blog da Cidadania

    O cientista político Alberto Carlos Almeida é autor do livro “A Cabeça do Brasileiro” (Editora Record, 2007), que possui uma pesquisa reveladora e dados estatísticos de excepcional amplitude a respeito do perfil do brasileiro. Almeida é professor da Universidade Federal Fluminense.

    Publicou os livros “Por que Lula?” (Editora Record, 2006); “Como são Feitas as Pesquisas Eleitorais e de Opinião” (Editora FGV, 2002); e “Presidencialismo, Parlamentarismo e Crise Política no Brasil” (Eduff, 1998).

    Alberto Carlos Almeida possui doutorado em Ciência Política pelo IUPERJ; foi pesquisador visitante na The London School of Economics; e coordenou as pesquisas eleitorais e de opinião do DataUff entre 1996 e 2002 e da Fundação Getúlio Vargas entre 2002 e 2005.

    Quer ler mais? Clique aquiCientista político diz que candidato de Lula será favorito “rapidamente”


  • EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY

    O Cafezinho

    Por Mariana Noviello

    Dilma Rousseff esteve no Reino Unido na semana passada onde ela participou de um evento acadêmico o Brazil UK Forum, organizado pelos estudantes das prestigiadas universidades de Oxford e LSE, e também conversou com a mídia, mulheres na academia e na política.

    Talvez de maior relevância tenha sido o encontro de Dilma com a alta cúpula do Labour Party (Partido Trabalhista Britânico).

    Parlamentares trabalhistas não só prestaram solidariedade à Presidenta em relação ao impeachment e a Lula, mas também se mostraram preocupados com a democracia no Brasil.

    Emily Thornberry, portavoz do Partido em assuntos internacionais, twitou: “Hoje, tive a honra de me encontrar com Dilma Rousseff, ex-presidenta do Brasil. Discutimos como a democracia em seu país está comprometida”. EM LONDRES, DILMA É CALOROSAMENTE RECEBIDA PELO LABOUR PARTY


  • O que Temer não disse sobre os 2 anos de governo

    GNN Notícias

    [...] A cerimônia teve início às 15h no Salão Nobre do Palácio do Planalto, mas antes mesmo já foi marcada por polêmicas. Após o deslize do título "O Brasil voltou, 20 anos em 2", e a repercussão negativa, o convite para ministros e autoridades veio com outra nomenclatura: "Maio/2016-Maio/2018: o Brasil voltou".

    Ostentou de maneira exacerbada que houve uma queda na inflação e redução da taxa de juros. Juntou os números para preparar a cartilha "Avançamos - 2 anos de vitórias na vida de cada brasileiro", que foi o período de sua atuação desde que assumiu com a derrubada da presidente eleita Dilma Rousseff.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 799 outros seguidores

  • Recomendo leitura

Fogo amigo

O azar é tanto que até quando tenta acertar erra.

A maré do candidato tucano à presidência da República não anda nada boa. A velha mídia e aliada do tucano por motivos que envolve altas cifras em dinheiro do erário público não esconde a insatisfação de algumas “mancadas” da cúpula da campanha demotucana.

Hoje foi um dia especial em que o Estadão, apesar de replicar a tática de manter em debate a questão do sigilo fiscal de Eduardo Jorge e Verônica Serra, tática que em nada tem ajudado a campanha da oposição, publicou que aliados esquetam a disputa com duras críticas ao tucano.

Na manhã de hoje, o ex-prefeito do Rio e candidato ao Senado Cesar Maia (DEM), sem citar Serra, criticou declarações elogiosas do tucano ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, feitas recentemente. “Há que se ter cuidado com as declarações sobre adversários. Foi dito que Mantega era correto e Lula estadista. E agora, José?”, escreveu Maia na internet

[…]

…Roberto Jefferson, é outro aliado que recorreu ao Twitter para reclamar de Serra. Queixou-se dos ataques do tucano ao ex-presidente e hoje senador Fernando Collor (PTB-AL)… “O Collor em momento algum falou contra o Serra. Para que Serra está falando contra o Collor? Me deixa mal”, protestou Jefferson no Twitter. (Estadão, 5/9)

Já a Folha de São Paulo, principal beneficiária do modo tucano de governar, reclama que o site oficial da candidatura tucana sob a batuta milionária do indiano Ravi Singh “abandonou produção de conteúdo e atualização frequente para virar mera caçadora de contatos, recorrendo justamente ao expediente que o internauta mais odeia: os cadastros” (Folha, 5/9) e considera um erro flagrante o apelo que se faz por lá:

Outro erro flagrante da página proposta por Singh (cujo primeiro ato ao ser contratado foi criar o slogan “é a hora da virada”) é o apelo, quase em tom comovido, que aparece na home page.

“Ajude-nos a enviar este vídeo para todos os seus amigos AGORA!” é tudo o que não se deve suplicar quando a pretensão é distribuir conteúdo. Isso quebra a própria etiqueta na rede. (idem)

Não bastasse a crítica, a Folha ainda faz um elogio ao sitio de campanha de Dilma Rousseff ao dar como “acertada opção pelo formato jornalístico para contar o dia a dia da campanha, além de atualização frequente de conteúdo mais chamativo, como fotos em tamanhos panorâmicos (ibdem).

Até Lúcia Hippólito, em seu comentário na CBN espinafra a tática tucana considerando-a “uma maluquice… que faz a gente desconfiar que não seja verdade… Fica parecendo armação… É amador demais!” (Hippolito, via CBN)

Apesar da maluquice da campanha tucana, a velha mídia está preparando uma cartada para quando não for mais possível uma resposta do PT e da Dilma Rousseff numa velha tática de alterar o placar do jogo. Trata-se de uma armação midiática (Como será a bala de prata na campanha? Nassif, 5/9) a três dias da eleição e decisiva para levar o tucano ao segundo turno. Vai colar? Estamos nós eleitores politizados a ponto de não crer mais nesse tipo de armação? A blogosfera pode ajudar a derrubar mais esse golpe midiático?

É bom estejamos todos alertas!

Do meu amigo Walmom

Recebo email do meu amigo Walmom, grande artista queimadense.

GESTO NEGATIVO

Se o Tribunal Regional Eleitoral e grande parte da sociedade carioca andam irritados com excessivo número de placas de políticos por todos os cantos e em cada esquina, que tem como consequência uma grotesca poluição visual, o que está ruim pode piorar. Os Vereadores cariocas querem liberar geral a propaganda poluidora na cidade. Um projeto do do presidente da Comissão de Justiça e Redação Jorge Pereira (PT do B), assinado por 21 Vereadores, propõe a liberação de propaganda em locais onde hoje elas são proibidas ou sofrem restrições. Dentre esses locais constam as laterais de prédios. Não é só isso: o projeto pretende autorizar a propaganda política em qualquer item do mobiliário urbano e aí vale tudo: bancas de jornal, sanitários plúblicos, hidrantes, lixeiras da Comlurb e até orelhões. Além disso foi proposta redução das taxas para quem polui a cidade e que seja revogadas as 54 leis, decretos e portarias que hoje diciplinam a exibição de publicidade. Um grande retrocesso  para uma cidade que deseja estabelecer um choque de ordem.

É mole?

2 Respostas

  1. Irmão, na verdade, a campanha de Serra é um fake só: favela falsa, Elba falsa, Indio mauricinho e indiano made in USA. Nem Pinoquio pode mais.
    Parabéns pelo seu trabalho.
    Se você puder leia o post do Tijolaço: Serra virou um “spam”
    Grande Abraço.
    Brizola Neto

  2. Caro Brizola Neto.

    Sou seu leitor assíduo. Nem sempre comento, considerando que o que gostaria de dizer, já foi dito por alguém. Mas não deixo passar um dia sem ler o Tijolaço.com.

    Agradeço por sua visita e seu comentário. Apareça sempre.
    Abraços.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: